Sexo e Cultura – Parte 2

 

É quando se estuda o sexo e a sexualidade nas várias culturas, que se percebe cada vez mais como seus valores, hábitos, tradições e costumes, influenciaram e continuam influenciando a sexualidade entre os povos. Recentemente escrevi um artigo sobre o sexo no Japão e na Coréia, seus hábitos e costumes sexuais ainda hoje recebem forte influência de hábitos e costumes antigos, da cultura oriental que muito difere da cultura sexual do mundo ocidental.

Um costume antigo, mantido pelas tradições de boa parte dos países asiáticos, é o pagamento do dote. Este é pago aos pais da noiva e seu valor sofre variações de acordo com as habilidades (educação, nível cultural, dotes musicais, habilidades em dançar, habilidades sexuais, entre outras) da noiva. Na Tailândia, na Malásia e na Indonésia os podem ter quantas mulheres eles sejam capaz de mantê-las. Assim como na Japão, as famílias economicamente menos favorecidas vendem suas filhas aos prostíbulos, onde passarão o resto de seus dias a menos que haja uma reviravolta em suas vidas.

Na Tailândia, as mulheres são treinadas durante muitos anos numa técnica chamada de “pompoarismo”, que visa dominar e desenvolver os músculos da vagina. Isso é feito através da prática exaustiva de exercícios específicos, para obter o domínio completo das funções e dos movimentos dos músculos que fazem parte do aparelho sexual feminino.

Inicialmente desenvolvida para ser usada em rituais de fertilidade, com o passar dos tempos, essa técnica saiu dos recintos dos templos e seus rituais, ganhando espaço e se popularizando entre as mulheres que a praticavam como forma de dar prazer e melhorar o desempenho sexual dos homens.

O pompoarismo se popularizou entre as prostitutas que passaram a se promover ao utilizarem a técnica. Atualmente, é indispensável para quem quer exercer a função nasa casas noturnas e prostíbulos no país. Quem visita o país, nos dias de hoje, poder assistir a apresentações públicas em casas noturnas e nas ruas, onde as mulheres demonstram que podem fumar um cigarro colocado entre os lábios vaginais; sugar objetos como bolinhas para, depois expulsá-las através da contração dos anéis musculares da vagina; sugar uma banana com a vagina para depois esmagá-la; sugar água e depois dançar, para logo em seguida liberar a água.

Segundo a história, essa técnica tornou-se conhecida no ocidente através de ginecologistas, principalmente depois que o alemão Dr. Arnold Kegel, começou a utilizar como forma de tratamento, em suas pacientes, buscando o fortalecimento da musculatura do períneo, evitando assim as colpoperíneoplastias e as incontinências urinárias em geral. Com o tempo, percebeu-se que as mulheres que seguiram o tratamento relataram o aumento do potencial erótico das sensações vaginais, passando a ser usada também no tratamento das disfunções sexuais. A técnica ficou conhecida como Exercícios de Kegel e foi rapidamente divulgada por seus colegas ganhando notoriedade em países do Primeiro mundo, América e na Europa.

Kelly Cristine Barbosa Cherulli
Sexóloga e Psicóloga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *