A Masturbação nas Culturas Antigas

 

A masturbação era encarada de muitas formas diferentes pelas culturas antigas. Ela é um hábito natural que tem sido praticado pela sociedade desde o passado. De acordo com alguns intérpretes, há mesmo alguns desenhos de masturbação masculina em pinturas pré-históricas na pedra em todo o mundo. A masturbação nas culturas antigas era comumente permitida e hoje é lembrada por lendas e contos. Algumas pinturas antigas mostram homens e mulheres masturbando-se, e outras partes do mundo têm a auto-estimulação em monumentos. Um cemitério neolítico na Grécia, por exemplo, tem a figura de um homem masturbando-se.

Algumas culturas antigas também costumavam considerar a masturbação como uma atividade sexual fortalecedora e criativa. Há uma lenda que diz que o deus egípcio Osíris criou o mundo por um ato de masturbação. Outro mito egípcio diz que o deus sol, Atom, criou os dois primeiros seres humanos da terra através da masturbação. Este é o motivo da masturbação ter se tornado importante nesta cultura antiga: porque ela era considerada um ato mágico ou criativo. Um mito grego similar também envolvia seus deuses. Nesta lenda, Hermes ensinou Pan a masturbar-se.

Na Grécia antiga, a masturbação era uma atitude natural, normal e saudável para substituir outras formas de atividade sexual. Ela era considerada uma forma segura contra a frustração sexual. Por esta razão, há várias artes e escritas gregas sobre a masturbação feminina e pinturas que mostram a masturbação masculina como parte da vida diária, e não um vício ou uma virtude. Ela começou a ser julgada quando o Império Romano dominou, porque os romanos costumavam distingüir o vício da virtude e associavam a masturbação à desonra e ao distúrbio.

A cultura antiga dos Sumérios, que inventaram a primeira linguagem escrita, tinha referências ao seu deus Enki masturbando-se e a ejaculação dele preenchendo o rio Tigre como fluído. Com a influência crescente da Igreja Católica e outras religiões, porém, a masturbação começou a ser condenada e julgada como uma prática pecaminosa, como sinal de fraqueza e decadência. A religião ainda tem maior influência nos dias de hoje, mas a prática da masturbação atualmente foi desmistificada pela medicina, que provou que ela é saudável e inofensiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *