tucanoNão é de hoje que notamos o crescimento de sites no estilo classificados que exploram a sexualidade em geral. Isso tem nos chamado cada vez mais atenção e decidimos sair por ai para encontrar os melhores!

Estivemos muito ocupados nos últimos meses e acabamos deixando de lado as publicações aqui no historiadasexualidade. Maaaas, estamos voltando….

 

As Categorias de Sites no Brasil

Em nossa busca a fim de conhecer o funcionamento dos sites de acompanhantes e garotas de programa no Brasil, nos deparamos com algumas categorias que são:

  • Garotas de Programa ou Acompanhantes de Luxo
  • garotos de Programa
  • Trans e travestis

Além disso, tem surgido recentemente alguns sites especializados no nicho de Sugar Baby, que vou deixar para outro post este assunto.

 

Os Sites

Neste meio, existem vários tipo diferentes de sites, mas os mais comuns são os de acompanhantes mulheres, homens e travestis, sendo este último um dos que mais crescem no cenário atual.

Diversos sites gratuitos estão em ascendência atualmente, dentre eles o Gatas Reais, que é um site no estilo classificados, onde a garota ou trans/travesti pode estar entrando em contato e criando seu anúncio em tempo real via whatsapp. Outro site que apesar de novo e estar no mesmo nicho é o Appeals, que trabalha de forma automática, onde o/a anunciante faz todo um cadastro diretamente no site que vem a ser aceito ou não pelos administradores.

Outros grandes sites estão disponíveis no mercado, porém, com uma concorrência enorme entre as garotas, por conta da quantidade e qualidade.

 

As Acompanhantes

Hoje em dia existem uma infinidade de serviços prestados por elas, desde os mais simples, como o sexo, até massagem relaxante, depilação, aromaterapia e cromoterapia. Acompanhantes de luxo vem cada vez mais trabalhando o aperfeiçoamento de técnicas a fim de obter um diferencial em seu atendimento.

Algumas delas atendem com local, outras a domicílio ou hotéis e motéis da região em que residem. As facilidades ficam por conta do conforto do local da garota ou garoto e das vantagens de se pagar com dinheiro ou cartão de crédito.

 

Localização

Sites geralmente são regionalizados, focados um, duas ou até 3 cidades quando próximas. Há também quem prefira o gigantes da internet, que exibem anúncios de acompanhantes e garotas de programa de vários locais, excelente para quem viaja muito e adora se divertir, dando uma escapadinha ^~.

O Gatas Reais por exemplo, exibe um buscador em sua página, para que você encontre a cidade e veja todas as garotas disponíveis no momento, facilitando (ou não) a sua escolha. A vantagem está em poder negociar diretamente com a anunciante, principalmente via whatsapp ou ligação. Isso facilita imensamente, reduzindo o tempo perdido indo a “casas de massagem” a procura da companhia ideal.

Outro fator importante de lembrar é que interagindo com elas, pode-se negociar valores, serviços prestados e até a forma de pagamento, que é importantíssimo sempre perguntar né? Afinal, não queremos surpresas constrangedoras, não é mesmo?

Por exemplo, Acompanhantes em Joinville, em Santa catarina. Basta procurar por Joinville, listar as garotas, clicar, acessar o perfil, ver as fotos, serviços que a garota presta, contato e whatsapp e pronto, contactar e conhecê-la pessoalmente.

 

 

 

cientistas norte-americanos que no século XX realizaram estudos quantitativos a respeito do comportamento sexual humano

Até meados de 1940, o interesse pelas pesquisas sobre o comportamento sexual ficou mais ou menos restrito aos psiquiatras, psicólogos, antropólogos e sociólogos. Muitas dessas investigações tinham um caráter qualitativo. Ou seja, eram realizadas com um número pequeno de casos. Em 1948 um fato fez com que o assunto saísse do círculo fechado dos cientistas sociais. Nesse ano foi publicado o livro “Comportamento Sexual do Homem” e, em 1953, o “Comportamento Sexual da Mulher”. Ambos resultaram de uma extensa pesquisa realizada pelo médico americano Dr. Alfred Kinsey, com uma boa amostra da população dos Estados Unidos. Qual foram os impactos dessas publicações?

Jornalistas e comentaristas sociais lançaram-se à leitura dos relatórios de Kinsey. As tabelas estatísticas neles contidas eram acessíveis ao grande público. As pesquisas de Kinsey causaram um profundo impacto não só nos Estados Unidos, como em todo o mundo. A partir delas, um número crescente de homens e mulheres começou a se interessar por uma compreensão mais realista de sua própria vida sexual. As informações reunidas no trabalho de Kinsey foram obtidas através de pesquisas quantitativas (com grande número de casos) mediante entrevistas. Os entrevistadores interrogaram 6.300 homens e 5.300 mulheres, número muito superior ao de qualquer outra pesquisa do gênero. Foram incluídos indivíduos de todos os grupos de idade acima dos dezoito anos, de diferentes níveis educacionais, categorias profissionais, atitudes em relação ao sexo, graus de experiência sexual, e assim por diante. Kinsey pode comparar a incidência de certos tipos de comportamento nos diferentes grupos de entrevistados. Verificou, por exemplo, que as relações sexuais antes do casamento tornavam-se mais freqüentes conforme fosse maior a idade das pessoas entrevistadas.

Muitos especialistas fizeram críticas sérias aos relatórios de Kinsey. Condenaram o fato de ele se basear em entrevistas para chegar a conclusões que apresentou como irrefutáveis. Segundo esses críticos, a única maneira segura de avaliar o comportamento sexual seria a observação direta das pessoas em atividade sexual. Isso foi o que tentaram fazer William H. Masters e Virginia Johnson, dois cientistas americanos. Em seu livro “Relações Sexuais Humanas”, de 1966, eles reuniram os resultados de onze anos de observações. Masters e Johnson estudaram em seus laboratórios os casais copulando, fizeram registros com instrumentos e analisaram detalhadamente o que acontecia com o homem e com a mulher durante o coito. Seu relatório é ainda mais surpreendente que os de Kinsey. Talvez a revelação mais importante de Masters e Johnson tenha sido a de que, no ato sexual , todas as mulheres são capazes de ter vários orgasmos. Ao contrário, o homem só tem um. Porém, um grande número de homens, até a idade de 35 anos, também pode ter dois ou três orgasmos em rápida sucessão. Mesmo depois dos 35 anos, 7% dos homens podem ter vários orgasmos num curto intervalo de tempo.

Masters e Johnson também retificaram idéias errôneas a respeito do tamanho do órgão sexual masculino. O pênis da média dos homens adultos tem entre 8,5 e 11,5 centímetros quando relaxado, e entre 14 e 15,5 centímetros quando em ereção. Isso levava a pensar que todos os pênis aumentavam na mesma proporção. Masters e Johnson descobriram, porém, que quanto maior é o pênis relaxado, menos ele aumenta na ereção, e vice-versa. Essas observações serviram para combater uma preocupação bastante comum entre os homens, sobre o tamanho do pênis relaxado. Dizia-se, no senso comum, que o indivíduo com um pênis grande era um bom amante. Esse é apenas um, entre tantos preconceitos a respeito do sexo, que os estudos científicos ajudaram a esclarecer.

Antes de qualquer dado de relatório, as pesquisas de Kinsey, Masters e Johnson serviram para aumentar o interesse da população sobre a sexualidade. No mesmo fluxo, houve um incremento das pesquisas que forneceram subsídios para o entendimento de práticas e comportamentos sexuais.

Jonatas Dornelles,
Antropólogo

 

“Será que as pessoas ainda fazem sexo nos dias de hoje?” Essa brincadeira foi feita por Bárbara Kessling, ao analisar o panorama do sexo americano. Entretanto, acredito que ela possa também ser usada para uma análise do panorama sexual, de modo geral.

Respondendo a pergunta, é claro que sim. Apesar de nos últimos tempos, os seres humanos, terem sido afetados pelas transformações sócio-político-econômico mundial,ou seja, cada vez mais, encontramos pessoas que em função das crescentes pressões profissionais, se queixam da falta de tempo para “curtir”a vida. Além disso, com a modificação na contextualização da masculinidade, o aparecimento da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis (DST), dos novos modelos de relacionamento, entre outras, quando o assunto é sexo, pode-se dizer que houve uma mudança quanto as regras.

Com a revolução sexual, houve uma alteração radical no papel masculino. Essa transformação, que afetou tanto o ambiente de trabalho, quanto a cama, ocorreu em função das mulheres terem conquistado seu espaço sócio-político-econômico. O mesmo ocorreu em relação a sexualidade. Assim, as mulheres, tanto quanto os homens, passaram a explorar melhor sua sexualidade. Isso significa que falar sobre sexo, deixou de ser um tabu. Mitos e preconceitos foram derrubados, na tentativa de compreender e exercer melhor a sexualidade. O comportamento sexual mudou, de conservador para liberal. Homens passaram a se preocupar com o prazer das mulheres, principalmente o orgasmo.

Com o advento da Aids e outras DST (sífilis, gonorréia, herpes, hepatite B, além de outras), sobreveio o medo de contrair essas doenças, abalando a liberdade de exercer essa sexualidade. A disseminação dessas doenças também contribuiu para uma mudança na forma de se exercitar o sexo: em vez de buscar somente prazer sexual, as pessoas passaram a buscar também satisfação nos relacionamentos. Especialistas acreditam que, enquanto não houver cura, essa percepção continuará por algum tempo.

Por falar no assunto, nunca é demais lembrar: Faça sexo seguro. Use camisinha!

A tecnologia também contribuiu para o aparecimento de novos padrões sexuais. A internet passou a ser usada como um veículo de aproximação. As pessoas passaram a criar vínculos virtuais. Quem não conhece ou nunca ouviu dizer que o relacionamento começou na internet? Ou então a respeito de fazer sexo virtual? Existem ainda sites que divulgam pornografia, promovem encontros, etc. Alguém se lembra da história do canibal que encontrou sua vítima pela internet e que depois de fazer sexo com ele, acabou comendo-o ( na acepção da palavra ) com seu consentimento?

Voltando ao sexo, nos tempos atuais cada um é responsável pelo próprio prazer. Não tente atribuir essa responsabilidade ao outro.Além do sucesso profissional e satisfação imediata, procure buscar também sua realização pessoal, e isso inclui sua vida sexual. Reserve um tempo para você. Se tiver dúvidas, ou quiser saber mais sobre sexo, pesquise sobre o assunto (livros, internet). Procure por especialistas (médicos ou psicólogos), eles, certamente, saberão orientar e esclarecer sobre o assunto.

Kelly Cristine Barbosa Cherulli
Sexóloga e Psicóloga